América Latina e o Caribe atingem as 2.000 designações de endereços IPv6

O Brasil lidera o ranking da adopção da nova tecnologia da Internet, mais da metade das organizações da região têm novo protocolo, segundo o Registro de Endereçamento da Internet da América Latina e o Caribe

Curaçao, 31 de outubro.- Em um crescimento vertiginoso, a América Latina e o Caribe atingiram neste mês as 2.000 designações de blocos de endereços IPv6, a nova tecnologia da Internet que substitui o antigo protocolo IPv4, segundo anunciou hoje o diretor executivo da organização responsável pela administração dos recursos da Internet na região, Raúl Echeberría, durante o encerramento das sessões da reunião LACNIC 20 que está sendo desenvolvida em Curaçao.

O Brasil lidera o ranking dos países com maior quantidade de designações de IPv6, seguido da Argentina, Colômbia, México, Chile, Costa Rica, Equador, nessa ordem, segundo os registros técnicos do LACNIC.

Durante o penúltimo dia do LACNIC 20 coincide com os 11 anos de vida desta organização que tem promovido o desenvolvimento constante das Tecnologias da Informação e da Comunicação na região, onde mora mais de 10% dos usuários da Internet do mundo todo. Em seu discurso, Raúl reafirmou o compromisso de trabalho do LACNIC por uma Internet estável, segura, aberta e participativa.

Ao mesmo tempo salientou o esforço realizado na promoção do uso do protocolo IPv6, o futuro da Internet, que "está crescendo a um ritmo constante na região", disse Echeberría. Prova disso é que hoje, mais da metade das organizações da Internet da América Latina e o Caribe (55%) têm recebido designações de endereços da nova tecnologia, a solução definitiva perante o iminente esgotamento do IPv6 no ano de 2014.

Esta situação, salientou Echeberría, é graças ao trabalho de todos esses anos da comunidade na administração de seus recursos IPv4, que permite atingir a instância de transição com calma e responsabilidade. Hoje, a região da América Latina e o Caribe é a que está designando mais endereços IPv4 no mundo, com mais de dois milhões entregados por mês.

O CEO do registro responsável da Internet da América Latina e o Caribe instaram a aprofundar nas experiências colaborativas, interativas e coordenadas desenvolvidas nesses 11 anos com a comunidade, para enfrentar os novos desafios que estão sendo impostos na Internet.

Hoje, quatro de cada dez latino-americanos tem acesso à Internet, um valor que se espera aumente nos próximos 30 meses até alcançar uma penetração de 60%, o que supõe grandes esforços de todas as organizações que trabalham no desenvolvimento da Sociedade da Informação. Estima-se que haverá 100 milhões de novos usuários da Internet ao chegar a 2015, totalizando 355 milhões de internautas na América Latina e o Caribe.